Portal INOVA
Notícia
  • Déficit comercial do setor eletroeletrônico recuou 26% em 2015
  • 31/01/2016 08:19
  • Dados consolidados da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) apontam que o déficit da balança comercial dos produtos elétricos e eletrônicos atingiu US$ 25,5 bilhões em 2015, 26% abaixo do registrado em 2014 (US$ 34,6 bilhões). Este resultado é consequência da queda de 23,6% nas importações e de 9,8% nas exportações do setor em 2015 na comparação com o ano anterior.

    Para o presidente executivo da Abinee, Humberto Barbato, o novo patamar do dólar não foi suficiente para estimular as vendas externas no ano passado. Já a redução nas importações é atribuída ao fraco desempenho do mercado interno: “Desde junho de 2014, o déficit da balança do setor começou a registrar resultados abaixo dos apontados nos mesmos períodos do ano anterior devido à queda de atividade no mercado interno”, afirma Barbato.

    Segundo os números da entidade, as exportações de produtos elétricos e eletrônicos somaram US$ 5,9 bilhões, ante US$ 6,6 bilhões em 2014. Com exceção das vendas externas de bens de Material Elétrico de Instalação (+7,3%), com destaque para os disjuntores (+37%), as exportações das demais áreas recuaram.

    As importações de produtos elétricos e eletrônicos totalizaram US$ 31,4 bilhões, no acumulado de janeiro-dezembro de 2015, contra US$ 41,2 bilhões no ano anterior. Todas as áreas apresentaram queda nas importações com taxas de mais de 30% em alguns casos, como Telecomunicações, Informática e GTD.

    Ao analisar por regiões, a maior parte do déficit ocorreu em função dos negócios com os países da Ásia (US$ 19,5 bilhões), sendo que somente com a China, o saldo negativo alcançou US$ 11,7 bilhões. Apenas os negócios com países da Aladi geraram resultado superavitário (US$ 1,5 bilhão), porém, seu montante foi bem menos expressivo do que o déficit registrado pelas demais regiões, principalmente, pelos países da Ásia.

    Para 2016, a projeção da Abinee é de que as exportações aumentem a participação nos negócios do setor com crescimento da ordem de 2%, enquanto as importações continuarão ressentindo-se do pouco dinamismo do mercado interno, registrando queda de 3%.

    Com informações do IPNews